São José do Rio Pardo - sexta, 28 de julho de 2017
"Eu não tenho vocação para a espada, a arma que eu sei manejar é a pena."
Noticias Artigos

Postado em: 18/02/2016

Egolatria e mediocridade - Maria Olívia Garcia Ribeiro Arruda


Egolatria e mediocridade  “A nenhum deles lhes lembrou uma coisa que noutros países se chama opinião pública – porque lhes falta metafísica para idealizarem entre nós, criação tão transcendental ou fantástica.”   (E. Cunha, 13/3/1908. Carta a O. Lima)   Infelizmente algumas pessoas possuem um “ego” tão exacerbado que não enxergam além do próprio umbigo, nem são capazes de considerar a existência dessa “opinião pública” de que fala Euclides. Pensam, apenas, em si mesmas, em seu futuro, em suas oportunidades e vêem, em tudo, uma espécie de trampolim para alcançarem novos objetivos. Abusam do poder da imagem e da palavra, projetando a visão enganosa que constroem de si mesmos. Mas as atitudes medíocres acabam, sempre, denunciando a farsa. Parece haver sido mais ou menos isso o que ocorreu com a seleção brasileira, ao enfrentar a França. Acreditaram em uma imagem de invencibilidade que não tentaram sequer sustentar. Concordo com Jabor, que afirma haver a nossa derrota começado muito antes, “porque esta seleção não foi a pátria de chuteiras; foram as chuteiras sem pátria”. Faz sentido: se os jogadores residem há muito no exterior e do Brasil guardam apenas a vaga lembrança de uma infância pobre e sofrida, neles está ausente “a fome nacional, a ânsia dos vira-latas querendo a salvação.” Desconhecem, portanto, a vontade deste povo de esquecer escândalos, “mensalões” e eleições mentirosas, com candidatos mais medíocres ainda do que esses jogadores... Não sabem a dimensão do desejo de mostrar ao mundo que o brasileiro é, sim, maravilhoso... Um técnico arrogante, que em épocas anteriores já mostrou não aceitar opiniões contrárias às dele - sinal de tremenda fraqueza de espírito -;  um Ronaldo que me parecia brincar de “estátua”, um Roberto Carlos preocupado com a meia e a chuteira da Nike, e um Cafu que já foi grande, mas não reconheceu o momento certo de parar! Pois se a seleção brasileira não mereceu nem o que gastamos, como torcedores, em adereços verde-amarelos, ou o tempo de trabalho interrompido no Brasil para assistir aos jogos, deixo aqui meu tributo à seleção francesa, composta por filhos de uma terra  e de uma cultura que sempre admirei. Lembro, nesta simples homenagem, a pessoa de Jacques Andrés Dalliès, ex-gerente da Nestlé, com quem trabalhei alguns anos e que até hoje é um grande amigo, embora à distância, e ainda os franceses que eventualmente estiverem por aqui.   LA MARSEILLEUSE   Originalmente a Marseilleuse (em português, Marselhesa) foi um canto bélico revolucionário e um hino à liberdade. Em 1792, após a declaração de guerra do Rei da Áustria, um oficial francês do destacamento de Estrasburgo, Rouget de Lisle, compôs, na noite de 25 para 26 de abril, com o prefeito da cidade, Dietrich, o “Canto de guerra para o exército do Reno”, repetido pelos federados de Marselha, que participavam da insurreição das Tulherias, em 10 de agosto de 1792. O sucesso foi tamanho que, em 14 de julho de 1795, foi declarada canção nacional. Durante o Império e a Restauração ela foi censurada, mas voltou com a Revolução de 1830, e Berlioz criou uma orquestração dedicada a Rouget de Lisle. Com a 3ª República, em 1879, transformaram-na em hino nacional francês e uma versão oficial foi entoada em 1887. Transcrevo abaixo a letra em francês, que é belíssima, e a tradução em português. É, realmente, um hino de um povo que não se entrega.   HINO NACIONAL FRANCÊS Letra e Música de: Claude-Joseph Rouget de Lisle (1760-1836) (La Marseilleuse)   I Allons enfants de la Patrie, Le jour de gloire est arrivé. Contre nous de la tyranie, L’étendard sanglant est levé (bis) Entendez vous dans les campagnes mugir ces féroces soldats Ils viennent jusque dans vos bras, égorger vos fils, vos compagnes Aux armes, citoyens! Formez vos bataillons! Marchons, marchons, qu’un sang impur abreuve nos sillons.   Avante, filhos da Pátria, O dia da Glória chegou. O estandarte ensangüentado da tirania Contra nós se levanta. Ouvi nos campos rugirem Esses ferozes soldados? Vêm eles até nós Degolar nossos filhos, nossas mulheres. Às armas,  cidadãos! Formai vossos batalhões! Marchemos, marchemos! Nossa terra do sangue impuro se saciará!   II Que veut cette horde d’esclaves De traîtres, de Roi conjurés? Pour qui ces ignobles entraves, Ces fers dès longtemps préparés? (bis) Français! pour nous, ah! quel outrage! Quels transports il doit exciter! C’est nous qu’on ose méditer De rendre à l’antique esclavage!   O que deseja essa horda de escravos de traidores, de reis conjurados? Para quem (são) esses ignóbeis entraves Esses grilhões há muito tempo preparados? (bis) Franceses! Para vocês, ah! que ultraje! Que élan deve ela suscitar! Ousam acreditar que somos nós A nos render à antiga escravidão!!   III Quoi! des cohortes étrangères Feraient la loi dans nos foyers! Quoi! ces phalanges mercenaires Terrasseraient nos fiers guerriers! (bis) Grans Dieu! par des mains enchaînées Nos fronts sous le joug se ploieraient De vils despotes deviendraient Les maîtres de nos destinées!   Que! essas multidões estrangeiras Fariam a lei em nossos lares! Que! as falanges mercenárias Arrasariam nossos fiéis guerreiros (bis) Grande Deus! por mãos acorrentadas Nossas frontes sob o jugo se curvariam E déspotas vis tornar-se-iam Mestres de nossos destinos!   IV Tremblez, tyrans! et vous, perfides, L’opprobe de tous les partis, Tremblez! vos projets parricides Vont enfin recevoir leur prix (bis) Tout est soldat pour vous combattre, S’ils tombent, nos jeunes héros, La terre en produit de nouveaux Contre vous tout prêts à se battre   Estremecei, tiranos! e vós, pérfidos, Injúria de todos os partidos, Tremei! seus projetos parricidas Vão enfim receber seu preço! (bis) Somos todos soldados para combatê-los, Se nossos jovens heróis caem, A França outros produz Contra vós, totalmente prontos para combater-vos!   V Français! en guerriers magnanimes Portez ou retenez vos coups. Epargnez ces tristes victimes A regret s’armant contre nous. (bis) Mais le despote sanguinaire, Mais les complices de Bouillé, Tous ces tigres qui sans pitié Déchirent le sein de leurs mères.   Franceses, em guerreiros magnânimos, Levai ou carregai ou suspendei vossos tiros! Poupai essas tristes vítimas, que contra vós se armam a contragosto. (bis) Mas esses déspotas sanguinários Mas esses cúmplices de Bouillé, Todos esses tigres que, sem piedade, Rasgam o seio de suas mães!...   VI Nous entrerons dans la carrière, Quand nos aînés n’y seront plus Nous y trouverons leur poussière Et les traces de leurs vertus. (bis) Bien moins jaloux de leur survivre Que de partager leur cercueil, Nous aurons le sublime orgueil De les venger ou de les suivre.   Entraremos na batalha Quando nossos antecessores não mais lá estiverem. Lá encontraremos suas marcas E o traço de suas virtudes. (bis) Bem menos invejosos de suas sepulturas Teremos o sublime orgulho De vingá-los ou de segui-los.   VII Amour Sacré de la Patrie Conduis, soutiens nos bras vengeurs! Liberté, Liberté chérie! Combats avec tes défenseurs! (bis) Sous nos drapeaux, que la victoire Accoure à tes mâles accents! Que tes ennemis expirant Voient ton triomphe et notre gloire!   Amor Sagrado pela Pátria Conduze, sustenta nossos braços vingativos. Liberdade, querida liberdade Combate com teus defensores! Sob nossas bandeiras, que a vitória Chegue logo às tuas vozes viris! Que teus inimigos agonizantes Vejam teu triunfo e nossa glória!   Maria Olívia Garcia Ribeiro Arruda    

Apoio

Apoios
Livro

Livro Deixe seu recado em nosso Livro de Visitas.

Clique aqui e assine já

Endereço

Rua Marechal Floriano, 105 - Centro
São José do Rio Pardo - SP
Telefone: (19) 3681 6424
casa.euclidiana@bol.com.br

Horário de Funcionamento
Segunda a sexta: 08h às 17h
bg