São José do Rio Pardo - sexta, 28 de julho de 2017
"Viver é adaptar-se."
Noticias Artigos

Postado em: 18/02/2016

A despedida de engenheiro Euclides - Maria Olívia Garcia R. Arruda


A despedida do engenheiro Euclides       No Diário da Noite, jornal do Rio de Janeiro, de 20 de agosto de 1936,  encontrei, à página 4,  esta reportagem: “O maior susto de Euclides da Cunha – um humilde colaborador do grande escritor nas obras do Rio Pardo relembra aos Diários Associados episódio inédito”. No subtítulo, “Como o autor dos Sertões se despediu emocionado de seus operários.” O “humilde colaborador” é Paschoal Artese, que dá um depoimento à sucursal do Diário da Noite em São Paulo. Artese se diz o “inventor da ideia de glorificar Euclides da Cunha em São José do Rio Pardo”, de ser o primeiro a se lembrar de “guardar numa gigantesca redoma a casinha e a minúscula mesa” do escritor e de ser o inspirador da romaria de 15 de agosto. Atribui-se também a prerrogativa de haver sido, como construtor e desenhista, o antigo auxiliar de Euclides na reconstrução da ponte metálica. Não houve um “criador” do 15 de agosto, afirma, garantindo haver sido  uma ideia coletiva. O repórter indaga-lhe, então, como explicar essa manifestação espontânea,  nascida dos “letrados e da gleba humilde de São José do Rio Pardo.” A explicação dada é que, “apesar de seu temperamento arredio, de sua natureza às vezes quase insociável, Euclides era um amigo sincero dos humildes.” Acrescenta ainda: “essa simpatia, essa solidariedade humana do dr. Euclides da Cunha pelo homem rude, pelo trabalhador do campo ou da cidade era espontânea”, embora o escritor, “com sua alma de retraído”, não desse “mostras muito vivas da sua solidariedade aos humildes”. O engenheiro-escritor revelara essa característica apenas uma vez: quando terminaram os trabalhos da ponte e ele deveria dispensar os operários. Na ocasião, reuniu todos eles num jantar de despedida; “a grande mesa foi posta na rua, em frente à casa do dr. Euclides. Além dos operários tomaram parte no jantar numerosos amigos” do escritor. “Ele nos tratava com a mais bela camaradagem, mas todos nós sentíamos que estava triste.” “Quase ao terminar o jantar” - prossegue Artese -, Euclides “subiu à sua residência e apareceu na janela do primeiro andar. Dali falou a todos os operários, depois de os haver atentado algum tempo, em silêncio.” Artese afirma que Euclides “falou pouco, declarou que a ponte estava construída e terminada sua tarefa em São José do Rio Pardo. Cumpria-lhe voltar e iniciar outros trabalhos. Regressava com a convicção de que a ponte sobre o Rio Pardo havia de varar o tempo, mostrando a sua solidez e a capacidade de seus construtores”. “Contudo, se bem que parecesse a muitos, o maior colaborador na obra que terminara não era ele, o engenheiro, mas sim seus operários, que levantaram com o esforço de seus braços os pilares de cimento armado e dominaram o ferro, estendendo-o sobre o Rio Pardo, numa prova imortal de seu trabalho realizador.”  “E, no entanto, terminada a obra, os seus construtores estavam despedidos e esse era o aspecto que ele lamentava em tudo aquilo”, relata Artese, afirmando que o escritor dissera textualmente: “Lamento, sim, a vossa sorte, operários: trabalhadores humildes e honrados que me haveis auxiliado com o maior contingente na construção da ponte metálica sobre o Rio Pardo. Sim, lamento a vós que podereis vir a rolar, miseráveis e famintos, contemplando a vossa obra magnífica!” (grifo nosso). Artese conta ainda outros episódios já conhecidos no meio euclidiano e afirma que o escritor o chamava de “Artesinho” e que instigara este a fundar na cidade uma escola noturna. Enfim, por que nunca se mencionou nada a respeito dessa despedida de Euclides, aliás uma lacuna que sempre nos intrigou? Alguns biógrafos do escritor diziam que ele saíra às pressas de São José do Rio Pardo, devido a uma epidemia de febre amarela na região. Uma questão, no entanto, insiste em provocar: essa declaração de Artese não teria sido alvo de censura, uma vez que Euclides faz um desabafo em relação ao desamparo do trabalhador? Fica a dúvida para pesquisas futuras!   Maria Olívia Garcia - Jornal Democrata      

Apoio

Apoios
Livro

Livro Deixe seu recado em nosso Livro de Visitas.

Clique aqui e assine já

Endereço

Rua Marechal Floriano, 105 - Centro
São José do Rio Pardo - SP
Telefone: (19) 3681 6424
casa.euclidiana@bol.com.br

Horário de Funcionamento
Segunda a sexta: 08h às 17h
bg